Conmebol aumenta a premiação e busca recuperar a credibilidade

A edição de 2016 da será especial. A Confederação Sul­Americana de Futebol (Conmebol) comemora o centenário de sua fundação com algumas novidades e polêmicas, mas que farão com que a competição ganhe mais atrativos. As principais mudanças são o aumento no valor da premiação e a anistia para clubes e jogadores punidos na temporada passada. Após muita reclamações dos dirigentes, a Conmebol aumentou a premiação e as equipes receberão US$ 600 mil (R$ 2,3 milhões) por milhão (R$ 7 milhões) e o campeão garante US$ 7,75 milhões (R$ 30,5 milhões) ou US$ 8,15 milhões (R$ 32 milhões) caso tenha começado na primeira fase.
Além disso, a Conmebol deixa de cobrar a taxa de 10% da renda bruta de cada partida. “A melhoria para os clubes representa uma distribuição total de mais de 70% das receitas”, diz um comunicado oficial da confederação.
A entidade ainda anunciou anistia para clubes, jogadores e técnicos punidos. Quem se deu bem foi o Boca Juniors. Punido por oito jogos como mandante sem torcida por causa dos incidentes contra o River Plate, pelas oitavas de final do ano passado, o clube argentino terá de cumprir dois jogos.
Não faltarão bons jogadores para fazer com que a competição seja de alto nível, como Carlitos Tévez, do Boca, e Gonzalo Martínez, do River Plate, clube atual campeão e que chega forte para repetir o feito.
Os cinco clubes brasileiros também entram como favoritos. O São Paulo se reforçou com Calleri e o técnico argentino Edgardo Bauza, o Corinthians está se reconstruindo, o Palmeiras tem elenco qualificado e AtléticoMG e Grêmio apostam na força em casa para ir longe e voltar a figurar entre os grandes do continente.

Por: DANIEL BATISTA E FÁBIO HECICO – O ESTADO DE S. PAULO

Assine a nossa newsletter